Diário sem horas (1)

Impõe-se darmos atenção a quem nos rodeia nestes dias difíceis. Que dediquemos verdadeiramente tempo a quem naufraga e àqueles que sobrevivem, apenas à tona ou caminhando milagrosamente sobre as águas. A quem nos estende a mão como aos que se afastam, nem pegadas na areia deixando para que possamos segui-los. Que com autenticidade as vejamos e olhemos à luz do meio-dia, nesses minutos sem sombra, a essas pessoas. Umas e outras. Porque cada uma delas é espelho em que nos revemos e voltaremos a rever, num qualquer momento previsto ou inesperado. Simétricas de nós e às tantas iguais.

publicado por João Villalobos às 11:58 | link do post | comentar