O mundo inexplorado

Ando por aqui às voltas com o título deste blogue, insatisfeito com os pobres títulos que me ocorrem, infeliz com os textos que tenho deixado a meio.
Estamos sempre a adiar o essencial, do corte de cabelo à escolha de um título.
Observando melhor o mundo, vemos sobretudo a natureza fluida da realidade, tal como uma pedra muda de forma quase invisível ou um glaciar se move, no seu deslizar grandioso.
Os sons que nos rodeiam são uma forma de surdez a outros ruídos inaudíveis; e as cores que vemos significam a nossa cegueira a outras sensações, para nós simplesmente invisíveis.
Como podia ser diferente com as emoções, quando só detectamos (e tão mal) as que são humanas?
Fora de nós não haverá todo um mundo inexplorado?

Seria um título melhor para as minhas dúvidas?

tags:
publicado por Luís Naves às 17:14 | link do post | comentar