(Europa) Água, sedução e mito

As histórias da mitologia são complicadas, mas é interessante como o DN, na sua edição de aniversário, escolheu o "Rapto de Europa" como imagem para ilustrar o ano. O mito tem várias fontes e não vale a pena entrar em controvérsias sobre as interpretações, mas Europa seria filha de um rei fenício e julgo que descendente de Poseidon, senhor dos oceanos. Encantado com a sua beleza, Zeus tomou a forma de um touro e levou-a pelo mar. Esta sedução (na realidade, trata-se de uma violação) é o ponto crucial do mito. A força não resiste à sedução da água.
Agora, é de novo um touro a seduzir e raptar Europa. O touro simboliza a fúria dos mercados, esse poder insensato do capitalismo que domina a nossa civilização e lhe conquista a beleza.
Europa, nome de uma lua de Júpiter que pode conter sob a camada de gelo todo um oceano, sendo Júpiter o deus supremo dos romanos, equivalente a Zeus grego. O satélite tem o tamanho da Lua e, na superfície, são visíveis riscos escuros que correspondem a fendas nas espessas placas geladas. Possui uma camada de atmosfera abundante em oxigénio e a gravidade de Júpiter produz marés e calor que talvez permitam a existência de um oceano líquido. A gravidade, essa sedução irresistível cujo poder pode fundir gelo.

 

A imagem é um pormenor da pintura de Noel-Nicolas Coypel (1690-1734) sobre o rapto de Europa

tags:
publicado por Luís Naves às 20:09 | link do post | comentar